Sob a coordenação da nossa Leading Lawyer Priscila Santos Artigas, “Os Desafios do Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo” foi tema do evento no IASP no último dia 28

No último dia 28 de agosto, na sede do IASP, nossa Leading Lawyer Priscila Santos Artigas, que também preside a Comissão de Meio Ambiente da entidade, coordenou a palestra “Desafios do Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo”, ministrada por Patrícia Iglesias, presidente da Cetesb, agência ambiental paulista.

Iglesias iniciou sua apresentação destacando o compromisso que assumiu com o governador para trabalhar a eficiência do licenciamento não apenas no que tange às questões ambientais, mas também em relação às necessidades do universo dos negócios. Do ponto de vista de movimentação do licenciamento, Iglesias apresentou dados expressivos de 2019, referente à área de impactos, que congrega grandes obras, e que já havia licenciado 38 bilhões de reais desde o início do ano, estando em fase de licenciamento empreendimentos que representam 17 bilhões de reais em investimentos. Esses dados, segundo Iglesias, não incluem a área de controle da empresa, que é responsável pelo licenciamento de empreendimentos industriais. 

Questionada pelo presentes sobre quais seriam os gargalos do licenciamento no Estado, a advogada citou a informatização dessa área, que já está em curso pela companhia, e a adoção de algumas medidas que visam a reduzir o tempo de análise de um pedido e que já foram identificadas pela Célula de Inteligência da Cetesb, como a necessidade de o técnico analisar completamente o processo antes de realizar exigências do interessado.

O evento contou com a presença do presidente do IASP, Renato Silveira.

Equipe do Milaré também participou do evento, destacando a presença da Leading Lawyer Juliana Flávia Mattei e a consultora técnica, a engenheira Daiane Gaia.

Milaré Advogados é um dos patrocinadores do Simpósio Jurídico da ABCE – Associação Brasileira de Companhias de Energia Elétrica

news 22outubro2018


news 22outubro2018

Publicado em 22 de outubro de 2018 

A reforma do modelo do setor elétrico e os impactos na geração, na transmissão e na distribuição de energia estão entre os principais temas que serão debatidos durante o XXIV Simpósio Jurídico da Associação Brasileira de Companhias de Energia Elétrica – ABCE, que ocorrerá no Hotel Blue Tree Premium Faria Lima (Av. Brigadeiro Faria Lima, 3989, Itaim Bibi, São Paulo/SP), nos dias 23 e 24 de outubro, das 8h00 às 18h00. Dos assuntos que serão pauta do encontro estão: concentração de mercado, preservação da ordem econômica, livre-concorrência e influência nos preços no setor elétrico. A preservação do meio ambiente será o tema do Painel 4, dia 24 de outubro, a partir das 16h30, com o debate sobre Criação de Territórios Ribeirinhos e Assentamentos em Áreas de Preservação Permanente e contará com a participação da nossa Leading Lawyer Priscila dos Santos Artigas. Maiores informações e programação completa: http://abce.org.br/XXIVsimposiojuridico/

Milaré Advogados participará do I Simpósio sobre Direito das Cidades do Unicuritiba

flower-3263622 web site


flower-3263622 web sitePublicado em 25 de agosto de 2018 

O componente ambiental no planejamento das cidades será o enfoque das palestras dos advogados Édis Milaré e Priscila dos Santos Artigas no “I Simpósio sobre Direito das Cidades”, a ser realizado no próximo dia 27 de agosto, no grande auditório do UNICURITIBA, em Curitiba. Com o objetivo de propiciar conhecimento aos estudantes sobre os aspectos jurídicos que envolvem o planejamento das cidades, a universidade reuniu diversos especialistas para discorrerem sobre instrumentos de planejamento urbano, patrimônio cultural, políticas públicas de habitação, meio ambiente, entre outros temas que interferem na dinâmica de ocupação.  No período da manhã, às 9h00, dra. Priscila dos Santos Artigas discorrerá sobre “O Estudo de Impacto de Vizinhança como um importante instrumento de prevenção e proteção ambiental”. Às 10h, será a vez do dr. Édis Milaré abordar o tema “Aspectos Ambientais na Cidade”. Sob a coordenação da professora Regina Maria Bueno Bacellar, o evento conta com intensa programação de palestras e debates e se estende até às 22h30.

Continue lendo “Milaré Advogados participará do I Simpósio sobre Direito das Cidades do Unicuritiba”

Fato consumado e tutela ambiental

TUTELA AMBIENTAL

TUTELA AMBIENTALPublicado em 21 de maio de 2018 

A 1ª Seção do STJ (Superior Tribunal de Justiça) aprovou no último dia 09.05.2018 a Súmula 613 cujo texto rejeita a aplicação da chamada teoria do fato consumado em matéria de Direito Ambiental. Publicada no dia 14 no DJe, essa Súmula sustenta, com base na exposição de motivos que lhe deu origem, que não se pode reconhecer um direito a situações que causam danos ao meio ambiente sob a alegação que os efeitos de uma eventual degradação já estavam consolidados no tempo.

Continue lendo “Fato consumado e tutela ambiental”

Água: Um Direito Fundamental do Homem

glass-ball-1805314 960 720

glass-ball-1805314 960 720

ÁGUA: UM DIREITO FUNDAMENTAL DO HOMEM

Pela primeira vez no hemisfério sul, a capital de nosso país sediou, entre 18 e 23 de março, a 8ª edição do Fórum Mundial da Água, que ocorre a cada três anos, visando a discutir a importância desse precioso bem comum da sociedade mundial para a estabilidade das atuais e das próximas gerações.
Referido Fórum já passou por Daegu, na Coreia do Sul (2015), Marselha, na França (2012), Istambul, na Turquia (2009), Cidade do México, no México (2006), Kyoto, no Japão (2003), Haia, na Holanda (2000), e Marrakesh, no Marrocos (1997).

Participaram do evento cerca de três mil pessoas vindas de todas as nações, inclusive 12 chefes de Estado, 134 parlamentares e 70 ministros de 56 países, que apresentaram suas expectativas em relação ao acontecimento, no qual foram discutidos temas como segurança hídrica, gestão urbana da água, mudanças climáticas e acesso democrático aos recursos.

O evento propiciou discussões profundas sobre a alarmante situação do que acabou acontecendo com a Cidade do Cabo, na África do Sul, que, neste mês de abril entrou em total colapso, em razão de forte crise hídrica. Outras cidades em maior ou menor grau também correm um grande risco.

É o caso de nossa cidade de São Paulo, que nos obrigou a uma intensa campanha de economia d’água, por conta da estiagem da Reserva da Cantareira, que só saiu do “volume morte” em 2015. As autoridades se esqueceram, todavia, de um amplo planejamento que se inclina dia-a-dia a uma nova crise que pode ressurgir nos próximos anos.

Em Bangalore, na Índia, a centralização das atenções no mercado imobiliário fez o governo daquele município, como em todo o país, esquivar-se dos cuidados essenciais com a manutenção dos recursos hídricos e do saneamento básico daquela localidade, a qual desperdiça metade de sua água potável, necessitando de uma revisão tecnicamente prudente dos seus velhos e precários encanamentos.

Em Pequim, na China, registra-se um cenário de profunda escassez hídrica. Isto porque, em uma equação desumana , a China abriga 20% da população mundial, porém dispõe de apenas 7% de água doce do mundo , que, infelizmente, vê esse índice cair ainda mais.

O rio Nilo, principal fonte de abastecimento do Egito, tem 97% de suas águas poluídas por resíduos agrícolas e residenciais, sem quaisquer meios de tratamento. Daí figurar como o oitavo país do mundo por mortes resultantes da poluição.
Se um quarto das reservas de água doce do mundo está na Rússia, estaríamos “trocando gato por lebre”, pois o país enfrenta problemas agudos de poluição por conta do legado industrial da era soviética. Isso é especialmente preocupante para a capital, Moscou, onde 70% do abastecimento vem de reservas de superfície. Órgãos regulatórios afirmam que entre 40% e 60% de todas as reservas de água potável do país não atendem os padrões sanitários mínimos.

A situação piora cada vez mais, em todo o mundo, pelo fato de os aquíferos não serem reabastecidos pelas fortes chuvas, em razão de o concreto e o asfalto, indiscriminadamente utilizados no ambiente urbano, impedirem que a água penetre pelo solo.

A ausência de água não é um fator novo e extremamente surpreendente para os 21 milhões de habitantes da capital do México. Para um a cada cinco, as torneiras só funcionam por algumas horas por semana, e, para 20%, só há abastecimento em parte do dia. A realidade da segunda cidade mais populosa do mundo é de importar cerca de 40% da sua água de fontes distantes, mas não tem nenhuma operação de larga escala para reciclar água que já foi utilizada. Perdas por problemas na rede são estimadas em 40%.

Esses poucos exemplos servem para ilustrar a perigosa situação em que se encontram os mananciais em todo o mundo, e que bem justificam a oportunidade ímpar que teve o Brasil em sediar o oitavo Fórum Mundial da Água, encontro democrático e de ampla participação popular, que contribuiu para a conscientização de que o uso da água em quantidade e qualidade é uma responsabilidade de todos.

O Código Florestal após o julgamento do STF

floresta-ok

floresta-okPublicado em 01 de março de 2018 

O Código Florestal após o julgamento do STF

Com o advento da Lei 12.651/2012, várias controvérsias foram suscitadas, que se tornaram objeto de discussão perante o Supremo Tribunal Federal no âmbito das Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs) 4901, 4902, 4903 e 4937 e a Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC) 42.

Continue lendo “O Código Florestal após o julgamento do STF”

Requiem para o Agronegócio?

Publicado em 17 de novembro de 2017 
Édis Milaré
Priscila Santos Artigas
Roberta Jardim de Morais

Após duas sessões adiadas, o Ministro Luiz Fux, relator das ADIs que pretendem a declaração de inconstitucionalidade de vários artigos do novo Código Florestal, proferiu seu voto na sessão de 08.11.2.017. Dentre outros itens, reconheceu a inconstitucionalidade da expressão “após 22.07.2008”, contida no § 3° do art. 7° e no caput § 3° do art. 17, julgando no ponto procedentes as Ações Diretas de Inconstitucionalidade – ADIs n°s 4902 e 4903 e improcedente a Ação Direta de Constitucionalidade- ADC n°42 e, ainda, pela inconstitucionalidade dos artigos 59 e 60, julgando procedentes as ADIs n°s 4902 e 4937 improcedente a ADC n°42.

Continue lendo “Requiem para o Agronegócio?”

MPSP requer a instauração de incidente de resolução de demandas repetitivas- IRDR com o objetivo de uniformizar a tese da reparação integral de áreas contaminadas

area contaminada sp 270

area contaminada sp 270Publicado em 26 de junho de 2017 
Por Rita Maria Borges Franco

Grande parte do volume de ações que tramitam no Judiciário brasileiro concerne a causas ditas repetitivas. Vale dizer: ações entre sujeitos total ou parcialmente diversos, mas que concernem a uma mesma questão de direito. Esse é o caso das dezenas de Inquéritos Civis e das 41 (quarenta e uma) Ações Civis Públicas, apenas na Capital, que discutem temas ambientais relativos à remediação de áreas contaminadas ligados: (i) à superveniência de atos administrativos e diretrizes técnicas mais protetivas ao meio ambiente (sucessão de normas no tempo); (ii) reconhecimento e enquadramento jurídico das diversas espécies de dano; (iii) responsabilidade civil objetiva; e (iv) princípio (e obrigação) de reparação integral.

Continue lendo “MPSP requer a instauração de incidente de resolução de demandas repetitivas- IRDR com o objetivo de uniformizar a tese da reparação integral de áreas contaminadas”

Tribunal mantém multa a produtor rural que cultivou algodão transgênico sem autorização

plantação algodao 270

< ![CDATA[

plantação algodao 270Publicado em 12 de junho de 2017 

Agricultor alegava que a espécie foi posteriormente liberada, mas julgadores entenderam que a falta de autorização à época dos fatos é suficiente para a autuação

A Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) negou o pedido de um produtor rural de Naviraí/MS e manteve penalidade aplicada contra pela União . O autor da ação foi multado por pelo cultivo comercial, no ano de 2007, de 40 hectares de algodão geneticamente modificado sem autorização da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), além da utilização de sementes não inscritas no Registro Nacional de Cultivares (RNC), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Continue lendo “Tribunal mantém multa a produtor rural que cultivou algodão transgênico sem autorização”