Por meio do nosso fundador, Édis Milaré, considerado o mais importante doutrinador do Direito Ambiental no Brasil, são lançados periodicamente no mercado jurídico um significativo número de artigos científicos.

Ministro Barroso do STF convoca audiência pública para discussão acerca da situação ambiental no Brasil

Por Bianca Pinheiro

Em 28 de junho último, o Ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, convocou audiência pública nos autos da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental n° 780. O objetivo da audiência é trazer informações sobre o estado atual das políticas públicas em matéria ambiental, sobre a operacionalização e o funcionamento do Fundo Clima e sobre os diversos atores e atividades eventualmente impactados por tais políticas. Para convocação da audiência, o Ministro ponderou, entre outros fundamentos, que as questões extrapolam os limites do estritamente jurídico, demandando conhecimento interdisciplinar a respeito de aspectos científicos, socioambientais e econômicos.

A referida demanda foi proposta no STF por alguns partidos políticos  como Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão n° 60. Em suma, tais autores alegam omissões do governo federal quanto a sua política ambiental, especialmente destacando a não adoção de providências para o funcionamento do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima, paralisado desde 2019.

Entre as principais condutas consideradas prejudiciais ao meio ambiente, alega-se: (i) a redução dos orçamentos e dotações relacionadas ao controle do desmatamento e ao fomento de formas sustentáveis de produção; (ii) o licenciamento de obras de infraestrutura, sem adequada avaliação de impacto; (iii) a desestruturação dos órgãos ambientais federais; (iv) o esvaziamento das atribuições do Ministério do Meio Ambiente; (v) a nomeação para cargos importantes de pessoas sem afinidade com a área ambiental; (vi) a orientação pública para cessação da demarcação de terras Indígenas; como também (vii) os cortes orçamentários na política ambiental ainda maiores do que os que vinham ocorrendo no passado; (viii) a falta de reuniões do Comitê Gestor do Fundo, mantido inoperante durante todo o ano de 2019; (ix) a não aprovação do Plano Anual de Aplicação de Recursos, quer para 2019, quer para 2020; e (x) a manutenção de “vultosos recursos “em caixa” com a rubrica específica de financiar ações voltadas à mitigação de emergências climáticas.

A decisão monocrática proferida pelo Ministro Relator recebeu a ação como arguição de descumprimento de preceito fundamental, uma vez que a inicial aponta condutas comissivas e omissivas e, ainda, determinou a realização da referida audiência pública, enfatizando a necessidade de ouvir relevantes atores, com pontos de vista polarizados e divergentes.

A audiência será realizada por meio virtual, nos dias 21 e 22.09.2020 e até a presente data foram expedidos convites aos demais Ministros do STF, ao Procurador-Geral da República e ao Advogado-Geral da União. Ainda, interessados poderão participar da audiência encaminhando solicitação pelo e-mail fundoclima@stf.jus.br até 10.08.2020, os quais serão selecionados pela (i) representatividade, (ii) especialização técnica e expertise, e (iii) garantia da pluralidade da composição da audiência e dos pontos de vista a serem defendidos.

error: Conteúdo Protegido !!